top of page
  • Foto do escritorTemplo

Estratégias de liderança em TI para o futuro digital: como cultivar talentos e evitar perdas milionárias

Em uma época em que as capacidades digitais podem determinar o sucesso ou fracasso dos negócios, o talento tecnológico qualificado segue em alta demanda e em baixa oferta. Surpreendente? Não muito.


Os conjuntos de habilidades estão mudando em um ritmo acelerado, tornando mais difícil reter um banco experiente de talentos. De acordo com uma pesquisa da IDC, mais de 90% das organizações em todo o mundo serão impactadas em algum nível por uma escassez de trabalhadores de TI qualificados até 2026, resultando em perdas estimadas em US$ 5,5 trilhões, impulsionadas tanto por atrasos nos produtos quanto por negócios perdidos.


Enquanto o conhecimento técnico sobre inteligência artificial, operações de TI e nuvem estão no topo da lista de competências desejadas, a pesquisa da IDC também apontou para negócios digitais, interação humana e liderança como áreas onde as empresas estão desesperadamente tentando preencher lacunas.


Em uma discussão no Simpósio CIO do MIT Sloan de 2024, Melissa Swift (vice-presidente de força de trabalho e mudança organizacional na Capgemini Invent) e outros especialistas em TI compartilharam seis maneiras pelas quais sua empresa pode fomentar futuros líderes e melhorar o desenvolvimento e a retenção de talentos - e sofrer menos com as mudanças dos próximos anos.


Estratégias de liderança em TI para o futuro digital: como cultivar talentos e evitar perdas milionárias

1. Preste atenção ao que motiva seus funcionários


E, não, um alto salário não é a única aspiração para muitos líderes de tecnologia. As gerações mais jovens valorizam colaborações significativas, oportunidades que os expõem a trabalhos interessantes e a capacidade de trabalhar com as tecnologias mais recentes.


“O que motiva as pessoas hoje não é ‘meu trabalho parece legal’ ou um ótimo título ou um escritório com uma mesa de totó,” disse Swift. “As gerações mais jovens estão muito mais voltadas para a construção de seu conjunto de habilidades de forma mais ampla. Eles querem estar em um papel onde possam expandir seus horizontes.”

2. Enfatize a resiliência com empatia


Os primeiros dias da pandemia de COVID-19 provaram a importância de uma liderança de TI ágil, já que muitas organizações rapidamente fizeram a transição para processos e operações de negócios digitais.


Na era do trabalho híbrido, agora é indispensável para os líderes aprimorar as soft skills, incluindo empatia, disse Vagesh Dave, vice-presidente global e CIO na McDermott International.


“Em um ambiente de trabalho híbrido ou remoto, construir uma cultura que cria pontos de contato para que os funcionários se sintam conectados e apoiados é realmente importante,” disse Dave.

3. Não microgerencie


Em outras palavras: dê espaço aos líderes emergentes, para que eles também cresçam. Embora lideranças recentes cometam mais erros, é importante que sejam testadas ao longo do caminho e tenham oportunidades posteriores de acertar.


O bom líder não é aquele que não erra nunca, mas aquele que assume o erro e aprende rápido com ele. Novamente o segundo conceito falado vem à tona para a pauta.


4. Confie nas novas lideranças


É um aprofundamento do tópico anterior. Entre a transformação digital e a IA, o ritmo atual de mudança é sem precedentes. Espera-se que os líderes de TI não apenas mantenham-se atualizados com a tecnologia, mas também entendam o negócio e compartilhem a responsabilidade pelos resultados. É importante que eles saibam que não precisam saber de tudo.


5. Esteja atento à intensidade do trabalho


Um trabalho intenso em exagero é aquele que extrapola os horários delimitados para trabalho durante um dia (e finais de semana). Quando acontece, prepara o terreno para uma situação de burnout, que prejudica diretamente todos abaixo de determinada liderança. Logicamente, não é bom para o líder, e muito menos para empresa, dado que aumenta a probabilidade de ocorrerem erros e lima por completo a motivação citada no primeiro item desta lista.


6. Repense a arquitetura de trabalho e os KPIs


As gerações mais jovens querem um planejamento de carreira transparente e orientação de seus líderes. Isso significa que é importante criar caminhos estruturados para avanço tanto vertical quanto lateral.


Além disso, os líderes devem estabelecer novos KPIs e recompensas, de modo que promoções e aumentos salariais não sejam os únicos marcadores concretos de sucesso. Já falamos disso aqui antes, quando falamos sobre motivação.


E o que isso tem a ver com IA?


Bem, você sabe que a inteligência artificial generativa rapidamente se tornou uma prioridade organizacional. Após seu lançamento no final de 2022, o ChatGPT alcançou 100 milhões de usuários ativos em menos de dois meses, e muitos executivos agora consideram gerenciar o impacto da IA uma prioridade de liderança. O cenário já ficou mais claro?


Apresentando o "Chefe de IA Gerativa"


Muitas empresas estão introduzindo posições para orientar o uso da IAG, e destacam-se 5 responsabilidades básicas para aqueles que assumiram esse papel tão desafiador:


  1. Direcionamento da estratégia e o alinhamento do trabalho de IA;

  2. Estabelecimento e sustentação de um ecossistema colaborativo de IAG;

  3. Monitoramento e avaliação de experimentos de IAG para informar melhores práticas;

  4. Identificação de casos de uso de alto impacto para escalabilidade;

  5. Supervisionamento na integração de IAG em unidades de negócios.


Importante destacar que alguns líderes de IAG podem ter um histórico criativo enquanto outros podem vir da tecnologia, mas esse histórico não importa tanto: o diferencial está na disposição para experimentar. Estamos falando de um princípio básico: inovação.


Confiança, colaboração e mente aberta são essenciais


À medida que as empresas embarcam em suas jornadas de IAG e adicionam liderança nessa área, a transparência é chave. “Os funcionários precisam sentir que confiam em seus gestores,” disse Lynda Gratton, professora da London Business School. “Isso não é apenas uma questão sobre tecnologia; também é uma questão sobre como você gerencia a mudança.”


Alguns trabalhadores temem que a IA possa substituí-los e um bom líder abordará essas preocupações a fim de gerar entusiasmo em toda a empresa, em todas as funções e faixas etárias.


“O CEO e a equipe de liderança têm que estabelecer uma narrativa. Quando você tem altos níveis de ambiguidade, o trabalho de um líder é contar histórias sobre o futuro, para ajudar as pessoas a pensar: É para lá que estamos caminhando; é por isso que isso está acontecendo; é assim que nos sentimos sobre isso.” ela disse.

Isso inclui envolver todos na organização para pensar em como usar a IA generativa. Ao integrar essas práticas, líderes e organizações podem não apenas navegar pela adoção da IAG, mas também potencializar sua força de trabalho com novas habilidades e formas de colaboração, garantindo um futuro mais eficiente e inovador.


 


Comentários


Os comentários foram desativados.
Fundo Templo Blog
bottom of page